Blog

Conclusões sobre alocação de ativos: Criando resiliência em meio a incertezas

Nesta versão condensada de nossa Perspectivas de Alocação de Ativos de Julho de 2020, discutimos como estamos posicionando os portfólios multiativos à luz de nossas perspectivas para a economia global.

Estes são tempos sem precedentes. Hoje os investidores enfrentam o desafio de montar portfólios em um ambiente onde os preços dos ativos parecem desconectados da economia real e a solução para a crise da saúde ainda é nebulosa.

Nossa análise, discutida em maior profundidade em nossa publicação Perspectiva de Alocação de Ativos, sugere que as valuations dos ativos de risco (ações e crédito) estão mais ou menos justas, depois de ajustar pelo nível atual das condições financeiras, que estão bastante expansionistas, e supondo uma recuperação econômica gradual. Não obstante, a distribuição dos possíveis cenários econômicos ao longo dos próximos 12 meses é excepcionalmente ampla.

Dessa forma, acreditamos que os investidores devem manter os portfólios multiativos com uma exposição moderada ao risco, com foco em empresas com perspectivas de crescimento secular ou temático e que estejam posicionadas para proporcionar lucros sólidos em um ambiente macroeconômico mais morno. Como sempre, a diversificação robusta do portfólio é fundamental, mas conseguir isso exige uma abordagem multifacetada. Duration, ativos reais e moedas podem desempenhar um papel importante.

O lado positivo é que, frequentemente, a volatilidade e a incerteza levam a excelentes oportunidades de investimento. Acreditamos que os próximos trimestres apresentarão um cenário excelente para a gestão ativa, pois a natureza e o ritmo da recuperação criarão muitos vencedores e perdedores. Isso deve proporcionar uma infinidade de oportunidades para agregar valor por meio da seleção de setores e da alocação tática de ativos. Acreditamos que portfólios cuidadosamente estruturados, bem diversificados e suficientemente ágeis devem estar na melhor posição para navegar pelos próximos meses.

Implicações para os investimentos

Ações globais: Estamos overweight em ações dos EUA, dada a maior parcela de empresas de alta qualidade e crescimento nesse mercado. Também estamos overweight no Japão, que tem características de qualidade em melhoria, valuations atraentes e uma exposição cíclica mais inclinada para os setores que favorecemos. Estamos underweight em ações europeias e de mercados emergentes, já que essas regiões são mais cíclicas e, portanto, menos resilientes a um cenário negativo.

Do ponto de vista setorial, temos preferência por tecnologia e saúde, onde estão ocorrendo as inovações. Acreditamos que, nesses setores, as empresas inovadoras têm o potencial de proporcionar crescimento elevado de lucros mesmo em um mundo de crescimento baixo.

Crédito tradicional: Damos preferência a empresas investment grade (IG) de alta qualidade, que acreditamos que podem proporcionar retornos ajustados pelo risco atraentes em diversos cenários de recuperação, ao mesmo tempo em que estamos cautelosos com exposições a entidades altamente alavancadas. Também vemos oportunidades em títulos sênior de empresas financeiras selecionadas e capital bancário, bem como em créditos high yield não cíclicos com classificação BB.

Em outros setores de crédito, estamos overweight em títulos hipotecários emitidos por agências (agency MBS). Os títulos pass-through de agências parecem estar sendo negociados com valuations atraentes e devem ser beneficiados pelo apoio contínuo da política monetária. Eles também oferecem uma oportunidade de melhorar a qualidade de crédito, com taxas similares e liquidez melhor. Finalmente, preferimos os títulos soberanos da periferia da Europa, devido a seus spreads atuais e porque esperamos a manutenção do suporte dado pela política do banco central europeu.

Crédito não tradicional: Deslocamentos de preço em outras partes dos mercados de crédito criaram oportunidades com risco/retorno atraentes.

Continuamos a encontrar valor nos mercados de créditos estruturados, particularmente em títulos sênior com rating AAA lastreados em um pool diversificado de ativos; como exemplos, citamos os MBS comerciais, MBS residenciais e collateralized loan obligations (CLOs). Os MBS antigos, não vinculados a agências, continuam atraentes do ponto de vista de valuation, devido aos fundamentos favoráveis do mercado habitacional dos EUA.

Nos mercados emergentes (ME), preferimos a divida externa do que classes de ativos que tendem a ser bastante sensíveis ao crescimento, como ações, moedas e dívidas em moeda local.

Os mercados privados se movem mais lentamente que os públicos, e os sinais de tensão demoram mais a aparecer. Estamos começando a ver oportunidades atraentes em alguns segmentos, como CMBS e empréstimos privados. Esperamos novos ajustes nos mercados de dívidas privadas ao longo dos próximos 12 meses, refletindo as condições econômicas mais fracas e uma concorrência menor entre os credores. Além disso, empresas que até agora tinham acesso a fontes tradicionais de financiamento podem ser forçadas a recorrer a fontes privadas de capital.

Acreditamos que, nos próximos anos, as estratégias oportunistas desempenharão um papel cada vez mais importante nos portfólios de muitos investidores, conforme eles busquem atingir seus objetivos de retorno no longo prazo.

Diversificação do portfólio: De forma similar à parcela pró-cíclica de um portfólio multiativos, no ambiente atual o componente de atenuação de riscos exige uma abordagem diferenciada. Acreditamos que, em lugar de depender do duration como única âncora para enfrentar os ventos laterais, os investidores precisam empregar um conjunto de ferramentas muito mais amplo, composto por ativos diversificadores com apoio explícito ou implícito do governo, moedas de baixo risco e ativos e estratégias alternativas.

Com os prêmios de risco baixos em toda a parte, damos preferência aos EUA e à Austrália, devido às taxas mais elevadas e, portanto, ao maior espaço para amortecer quedas em um evento de fuga para a qualidade. Acreditamos que um posicionamento bem diversificado e direcionado em duration deve ser complementado com outros ativos atenuadores de risco.

O conjunto de oportunidades pode consistir de moedas procuradas quando aumenta a aversão ao risco, como o iene japonês e o franco suíço, ativos de alta qualidade que estejam recebendo sustentação da política econômica, como títulos hipotecários com garantia de agências federais e créditos corporativos investment grade com rating AA/AAA, bem como estratégias alternativas de diversificação. Os investidores também podem considerar alocações a ouro, que tende a ser um ativo resiliente, além de ter proporcionado diversificação em várias recessões e períodos de incerteza macroeconômica elevada.

LEIA AQUI

Erin Browne é managing director e portfolio manager no escritório de Newport Beach office, concentrando-se em estratégias multiativos. Geraldine Sundstrom é managing director e portfolio manager no escritório de Londres, voltada para estratégias de alocação de ativos.

Autor

Erin Browne

Portfolio Manager, Multi-Asset Strategies

Geraldine Sundstrom

Portfolio Manager, Asset Allocation, EMEA

Relacionado

Informações importantes

São Paulo
PIMCO Latin America Administradora de Carteiras Ltda,
Av. Brigadeiro Faria Lima 3477
Torre A, 
5° andar,
São Paulo, Brazil 04538-133

A PIMCO presta serviços apenas a instituições e investidores qualificados. Esta não é uma oferta para qualquer pessoa em qualquer jurisdição onde seja ilícita ou não autorizada. | PIMCO Latin America Av. Brigadeiro Faria Lima 3477, Torre A, 5° andar São Paulo, Brasil 04538-133. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida em qualquer forma, nem citada em qualquer outra publicação, sem autorização prévia por escrito. PIMCO e THE NEW NEUTRAL são marcas registrada da Allianz Asset Management of America L.P. nos Estados Unidos e em todo o mundo. ©2021, PIMCO.

O desempenho passado não é garantia nem indicação confiável de resultados futuros.

Todos os investimentos apresentam riscos e podem perder valor. O investimento no mercado de renda fixa está sujeito a riscos, inclusive riscos de mercado, taxa de juros, emissor, crédito, inflação e liquidez. O valor da maioria dos títulos e estratégias de renda fixa é afetado pelas oscilações das taxas de juros. Títulos e estratégias de renda fixa com “durations” (prazo médio) mais longos tendem a ser mais sensíveis e voláteis do que aqueles com “durations” mais curtos; os preços dos títulos geralmente caem quando as taxas de juros sobem e o ambiente atual de juros baixos aumenta esse risco. Reduções na capacidade de títulos de renda fixa da contraparte podem contribuir para a diminuição da liquidez do mercado e o aumento da volatilidade dos preços. Quando resgatados, os investimentos em títulos de renda fixa podem ter valor superior ou inferior a seu custo original. As ações podem perder valor devido a condições setoriais, econômicas e de mercado reais ou supostas. Os títulos lastreados por hipotecas e ativos podem ser sensíveis a oscilações nas taxas de juros, estar sujeitos ao risco de pagamento antecipado e, embora geralmente sejam garantidos por um governo, órgão governamental ou garantidor privado, não há garantia de que tal garantidor honrará suas obrigações. As taxas de câmbio podem oscilar significativamente em períodos curtos e reduzir o retorno de um portfólio. Estratégias de investimentos privados envolvem um grau de risco elevado e o s investidores em potencial são advertidos de que o investimento em tais estratégias são apropriados apenas a pessoas que tenham recursos financeiros adequados, não tenham necessidade de liquidez de seu investimento e possam suportar o risco econômico, inclusive a eventual perda da totalidade de seu investimento. A diversificação não é uma garantia contra prejuízos.

A qualidade do crédito de um título ou grupo de títulos específico não garante a estabilidade nem a segurança do portfólio como um todo. Os ratings de qualidade de emissões/emissores individuais são apresentados para indicar sua qualidade de crédito e, de forma geral, variam de AAA, Aaa ou AAA (mais elevados) até D, C ou D (mais baixos) na S&P, Moody's e Fitch, respectivamente.

Risco de gestão refere-se ao risco de que as técnicas de investimento e as análises de risco aplicadas por um gestor de investimentos não produzam os resultados desejados, e que determinadas políticas ou acontecimentos possam afetar as técnicas de investimento à disposição gestor para a gestão da estratégia.

Não é possível garantir que estas estratégias de investimento funcionarão em todas as condições de mercado ou sejam adequadas a todos os investidores, de modo que cada investidor deve avaliar sua capacidade de investir a longo prazo, principalmente em períodos de queda no mercado. Os investidores devem consultar seus profissionais financeiros antes de tomarem uma decisão de investimento.

As projeções, estimativas e determinadas informações aqui contidas são baseadas em pesquisas próprias e não devem ser interpretadas como consultoria de investimento, oferta ou convite e nem tampouco como compra ou venda de qualquer instrumento financeiro. As projeções e estimativas apresentam certas limitações inerentes e, ao contrário de um registro de desempenho efetivo, não refletem transações efetivas, restrições de liquidez, taxas e/ou outros custos. Além disso, as referências a resultados futuros e não devem ser interpretadas como uma estimativa ou promessa de resultados que o portfólio de um cliente possa alcançar.